O Desenvolvimento de identidade visual é a evolução da percepção do consumidor à marca.

 

Vivemos numa sociedade que valoriza amplamente a imagem. Muito se comunica através desta. O visual tem uma função preponderante na passagem de informação, e não é de hoje. Há boa e má comunicação. Há muito conteúdo poluente e sem regra.

Estas são um conjunto de afirmações que nos levam para a importância do desenvolvimento de identidade visual numa marca ou organização.

A identidade é algo que está em constante desenvolvimento e evolução, contextualização e é um fator chave para que seja interiorizada a marca pelo consumidor.

Qualquer processo de personalização visual pressupõe o planeamento e implica a compreensão da resposta como um todo configurando um sistema de informação, desde o logotipo, até à sinalética interna, por exemplo.

Toda ao conteúdo para uma comunicação eficaz, necessita que todo o processo seja organizado com lógica e de forma coerente.

O desenvolvimento de identidade visual é um investimento no plano estratégico da empresa que deve permitir passar os seus valores e personalidade, transmitir uma visão global e conceito.

Para definir o conceito é crucial encontrar a base da sua cultura; posicionamento no mercado; a forma como é vista pelo público/cliente; objetivos; foco; missão e valores.

Quando bem estruturado, o desenvolvimento da identidade visual, em toda a sua amplitude, leva a identificar a solução pretendida. Isto reporta o posicionamento e o destaque no mercado e fazer face à concorrência.

5 etapas de um projeto de identidade visual

(Qualquer metodologia sugerida não é para limitar mas sim para complementar o processo sem que nada seja esquecido.)

Ponto de Partida: Qual a missão. O que se quer informar. Qual a imagem a transmitir. Quais as palavras que melhor definem o negócio/produto/serviço.

Investigação em conjunto com quem requer o serviço. O cliente pode não ter os conhecimentos técnicos mas conhece o ramo como ninguém.

Briefing – resposta a questões como: objetivo do projeto; tipologia de negócio/serviço; posicionamento no mercado; conceito a transmitir; projeção ao nível do mercado e da concorrência; quais os meios onde se encontra a marca/produto/serviço presente.

Analisar o histórico (quando há) ao nível da perceção e da comunicação

Definir conceito /brainstorming – procurar, procurar, procurar, registar, registar sem esquecer o ponto de partida.

Aplicação – os pontos chave são surpreender, mostrar cultura e ousadia, pensamento fora da caixa. O que quer que seja que se produza tem que trazer mais valia ao negócio, devem ser elementos necessários.

Apresentação – o lançamento de todo o resultado deve primar pela originalidade, deve ser algo que desperte o interesse, a necessidade e o valor no cliente.

Posto isto, há uma imensidão de oferta que leva o cliente a fazer escolhas e a definir preferências. O objetivo deste plano estratégico é captar a atenção do público que, preferencialmente, se virá a tornar um consumidor.